Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a catarata é responsável por 47,8% dos casos de cegueira no mundo. A causa mais comum é o envelhecimento do cristalino – uma lente natural do olho, que focaliza as imagens -, acentuado, em média, após os 60 anos. Mas a doença pode aparecer em qualquer idade e, por isso, é importante ficar atento aos sintomas.

A pessoa com catarata tem uma piora gradual da visão, que muitas vezes é confundida simplesmente com a necessidade de mudar os óculos. Ela passa a ver as coisas com menos nitidez tanto para longe como também para perto.

Fatores de risco

Além da idade avançada, existem outros fatores de risco que aumentam as chances do diagnóstico de catarata. Entre eles, está o tabagismo, consumo de álcool, exposição excessiva à luz do sol, diabetes e até o uso contínuo de alguns medicamentos, como corticóides.

A catarata causa piora progressiva na visão, alterações do grau e problemas na definição de contraste e cores. Nos casos mais graves, pode levar à cegueira.

Diagnóstico e tratamento

Para evitar que a doença progrida, é importante identificá-la o quanto antes. O diagnóstico é realizado por meio de um exame oftalmológico, onde verifica-se a visão e a transparência do cristalino (essa lente vai aos poucos impedindo a imagem de entrar no olho). Nos casos mais graves – quando a catarata provoca perda de visão -, contudo, é possível reverter a cegueira por meio de uma cirurgia.

A cirurgia é muito segura, com a remoção do cristalino e sua troca por uma lente acrílica artificial, em um procedimento que se chama facoemulsificação. Nessa troca, podemos inclusive escolher uma nova lente que compense as dificuldades de grau que o paciente tinha antes (miopia ou astigmatismo, por exemplo), permitindo, em alguns casos, que ele possa largar os óculos.

 

Fonte:  Portal da Oftalmologia